Fazenda produz leite no deserto do Oriente Médio

Fazenda produz leite no deserto do Oriente Médio

Vacas
Foto: Al Ain DAiry

As fazendas de Al Ain nos Emirados Arabes para produção de leite  no deserto foram criadas em 1981 sob a diretiva do grande Sheikh Zayed bin Sultan Al Nayhan e tornou-se o maior produtor de lácteos dos Emirados Árabes Unidos.

Ver milhares de vacas pastando no deserto é uma visão incomum, mas o rebanho da Al Ain Dairy está prosperando. A demanda por leite local está crescendo e há planos para dobrar em tamanho. Mas manter as vacas neste ambiente áspero e quente representa muitos desafios, Mitya Underwood relata.

As vacas têm uma média diária de 34 litros

No meio do estreito deserto de Al Ain, cercado por dunas douradas, levantam milhares de vacas Holstein-Friesian preto e branco à espera de serem conduzidas para os salões de ordenha da fazenda.

Melhor vaca de leite
De acordo com funcionários da Al Ain Dairy, é a vaca mais produtiva da empresa, que pode dar cerca de 100 litros de leite por dia, tirando três vezes ao dia. / Foto: Al Ain Dairy

É uma visão um pouco estranha, até porque normalmente no deserto você só vê camelos, o rebanho de 6.000 vacas, de propriedade da Al Ain Dairy, que foi criada em 1981, produz mais de 200 mil litros de leite a cada ano, com a crescente demanda.

A lenda diz que o falecido Shekh Zayed, o presidente fundador, estava sentado em Al Ain quando viu caminhões de entrega de leite que vinham da Arábia Saudita.

“Ele perguntou por que o leite estava vindo da A. Saudita e disse:” se os sauditas podem manter vacas, por que não pode Al Ain? ” E assim a fazenda leiteira foi estabelecida “, diz o diretor de operações, Shashi Kumar Menon.

Foto: Al Ain Dairy

Depois de um planejamento cuidadoso e negociações, 200 animais adultos produzindo chegaram da Alemanha. Ao longo dos anos, mais vacas foram trazidas para acompanhar a demanda por leite de vaca tipo A. Quando a fazenda Al Ain Dairy fundiu com Al Ain Poultry farm em 1996 para formar Al Ain Farms, quase 54% das ações da nova empresa foram entregues a mais de 7.500 pessoas de baixa renda do país

Agora, 32 anos após a sua concepção, a indústria láctea tornou-se a maior do país em termos de seu portfólio de produtos. Tem cerca de 6.000 vacas Holstein-Friesian, 800 camelos de ordenha, e há planos para duplicar o tamanho em um futuro não tão distante. Mas, criar e manter vacas leiteiras no deserto não é uma tarefa muito fácil.

Fazenda Leiteira
Foto: Al Ain Dairy

“Nós trouxemos animais que estão adaptados à um clima completamente diferente do nosso e tentamos obter as quantidades de leite para padrões europeus, isso é extremamente complicado.”

Foto: Al Ain Dairy

“Este é um ambiente intimidante e hostil. O principal desafio é conseguir que as vacas adaptem-se e vivam neste ambiente desértico. Para fazer isso você tem que ter uma boa compreensão do animal e proporcionar-lhes as condições que ajudam”.

Felizmente, a empresa tem uma arma secreta sob a forma de irlandês Patrick O’Dwyer, que iniciou a produção leiteira no Oriente Médio em 1991, no final da Guerra do Golfo, quando tinha apenas 23 anos.

Patrick O'Dwyer
Com rebanhos desse tamanho, você não é mais um fazendeiro de vacas – você gerencia pessoas que gerenciam vacas / Foto: Irish Farmers Journal

De uma longa linhagem de fazendeiros leiteiros, O’Dwyer foi recrutado para a Arábia Saudita para trabalhar em uma fazenda leiteira criada por um saudita e dois colegas irlandeses. Mudou-se para Al Ain Dairy há quatro anos.

“Eu nasci em uma fazenda leiteira, vivi com vacas toda a minha vida e não sei mais nada”, diz ele. “É difícil, mas há outros lugares para aprender, o sistema que fazemos aqui é o mesmo sistema que no Arizona e no sul da Califórnia. Todos os laticínios no Oriente Médio copiam os métodos – os sistemas de resfriamento aqui são provenientes de Phoenix.

Foto: Al Ain Dairy

A área arenosa onde as vacas são mantidas tem um grande telhado de metal, com toldos de tecido em suas laterais que podem ser puxados para fornecer mais sombra quando necessário.

Sistema de arrefecimento mantém a temperatura entre 24°C e 26°C, mesmo quando a temperatura real atinge 50° C.

“O custo de criar edifícios para manter as vacas no interior é muito alto, e também há problemas com os excrementos – o amônia pode se acumular em níveis perigosos.”

As vacas consomem cerca de 40 mil toneladas de alimentos por ano, metade dos quais é alfafa seca, e os preços aumentam anualmente, enquanto o preço do leite é fixado pelo governo. O rebanho atual dos laticínios é a oitava geração daqueles importados pela primeira vez em 1981, e se tornaram melhores em lidar com as temperaturas escaldantes do deserto.

Não há touros na fazenda, todo o processo é feito através de inseminação artificial.

Os bezerros machos são vendidos para fazendas locais, mas O’Dwyer espera usar os próprios animais da fazenda para ajudar com a expansão genética dos animais que estão se adaptando cada vez mais.

As vacas importantes chegam de navio ou avião

“Você pode fechar uma carga de 182 novilhas em um jato normal, mas, por navio, é mais fácil para os animais porque eles são alimentados durante todo o percurso, além de ter à bordo um médico veterinário para garantir que as vacas sejam bem cuidadas.

 

Foto: Al Ain Dairy

Pasteurização e distribuição

Existe uma fabrica na fazenda que faz a pasteurização do leite o e também a distribuição através de embalagens com a marca da fazenda e Emirados Árabes. Não existe contato humano no leite, pois é transferido da sala de ordenha por tubos subterrâneos onde são feito todos os testes de segurança necessários antes de serem engarrafados.

As máquinas de engarrafamento funcionam a uma taxa impressionante de enchimento e selagem de 180 frascos de meio litro por minuto.

Leite de camelo

Não é apenas o leite de vaca que é enviado todos os dias aos supermercados, também há um crescente mercado de leite de camelo.

A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) estima que o mercado pode valer até US$ 10 bilhões se promovido adequadamente.

tirando leite de camelo
Foto: Image via Pinterest/indulgy

Estes números animam os empresários da Al Ain Dairy, que está expandindo sua operação de leite de camelo com a maior rapidez e segurança possível. Existem cerca de 800 animais fêmeas e um salão automatizado de ordenha, com cada camelo bombeando uma média de 8 litros.

 

 

De acordo com a FAO, o leite de camelo é três vezes mais rico em vitamina C do que o leite de vaca.

“O leite de camelo é muito, muito bom para você e os árabes bebem muito. Estou ansioso para expandir, é um desafio para nós, mas podemos fazê-lo”

Conteúdo traduzido do site:

Al Ain Dairy / Facebook